18 abril 2021

Sporting rejeitou Haaland (esse mesmo) em 2018. "Pediam um valor a rondar os 2,5M€". "Odegaard chegou a conhecer a Academia de Alcochete" e Kristoffer Ajer também foi proposto aos leões

O Sporting não contratou aquele que é provavelmente o jogador mais cobiçado do futebol mundial... porque não quis (ou não achou interessante). Em 2018, quando Haaland tinha apenas 17 anos, foi proposto à SAD leonina pelo coordenador de scouting que tinha no futebol escandinávio. A resposta no fim de tudo foi... não.
«Indiquei o Haaland em 2018, pouco depois de ele sair do Byrne para ir para o Molde. Naquela altura o futebol norueguês não era de todo interessante. Começou a aparecer o fenómeno Odegaard, que trouxe alguma paixão aos noruegueses, mas o país ainda estava num estado de dúvida. Tinham um bom jogador, sim, mas o que apoiavam mesmo era o futebol inglês», conta Tomás Pereira.«Agora sim, já há alguma paixão, fruto destes vários jogadores que atingiram um patamar interessante no futebol internacional. O Haaland, com 17 anos, já jogava pelo plantel principal do Molde, que tinha o Ole Gunnar Solskjaer como treinador principal, e nos primeiros jogos percebeu-se logo que tinha um potencial tremendo.»
Ora nesta altura convém esclarecer que Tomás Pereira, com quem o portal Maisfutebol conversou, é esse tal coordenador de scouting na Noruega. Entrou no Sporting pela mão de Aurélio Pereira, para fazer scouting de miúdos no distrito de Setúbal, e mais tarde, quando recebeu um convite para emigrar para a Noruega, foi convidado para coordenar o scouting leonino de toda a Escandinávia.
«Eu já o conhecia do Bryne, porque treinei um clube lá de muito perto e alguns meus jogadores foram jogar para o Bryne, o que me levou a manter o contacto com o clube. Nessa altura era preciso saber o que o Haaland era capaz de fazer num contexto competitivo mais elevado, e pronto, após os primeiros jogos pelo Molde percebeu-se que podia ser algo fascinante», acrescenta.
«Imediatamente o indiquei ao Sporting, já para integrar a equipa principal, e a partir daí a bola passou para os meus superiores, que podiam ter ou não interesse no jogador. O meu chefe de então achou que podia ser um jogador interessante, mas achou que era demasiado caro. Na altura falava-se de um preço a rondar os 2,5 milhões de euros e ele considerou que era demasiado dinheiro.»
Tomás Pereira diz que ainda enviou uns whatsapps a reforçar o que tinha escrito no relatório, mas compreendeu que não valia a pena. Oito meses depois Haaland saiu para o RB Salzburgo e a partir daí a história do possante avançado norueguês já é conhecida. Golos e mais golos, a transferência para o Borussia Dortmund, mais golos, e a Europa inteira atrás dele aos 20 anos.
«Temos de perceber qual é o nosso lugar e a minha função foi sempre produzir relatórios, o mais detalhados possível, e a partir daí cabe ao meu chefe e à equipa técnica decidir o que o clube precisa. Eu limitei-me a elaborar um relatório detalhado, sublinhando que realmente este jogador é para assinar e não é hoje, nem amanhã, é para assinar ontem. Mas a direção é que decide.»
Também, em boa verdade, convém recordar que 2018 não foi o ano mais feliz para convencer o Sporting a investir o que quer que seja num miúdo desconhecido da Noruega. Foi o ano do ataque a Alcochete, sendo que este processo de Haaland começou ainda com Bruno de Carvalho e acabou quando o clube estava entregue a uma Comissão de Gestão liderada por Sousa Cintra.
Ora Tomás Pereira conta, de resto, que durante os sete anos que esteve na Noruega Erling Haaland não foi o único craque que indicou. «O Haaland já foi mais tarde, já foi em 2018. Antes disso já tinha proposto o Martin Odegaard, já tinha proposto o Kristoffer Ajer, que agora está no Celtic...»
A história de Odegaard é aliás muito curiosa.
«Vi-o pela primeira vez com 14 anos, num torneio pela seleção da Noruega. Fiz o relatório e não existiu interesse pela parte do Sporting. Sobretudo porque o atleta ainda era menor de idade, para vir para o Sporting era necessário desembolsar alguma verba, que não chegava a um milhão, mas não houve interesse», conta Tomás Pereira.
«O tempo passou, eu fui mantendo o Sporting a par e entretanto saiu no jornal que o Real Madrid e o Bayern Munique estavam interessados. Nessa altura houve um clique, porque isto funciona muito assim: se há interesse de outros clubes, a coisa acelera. Pediram-me então para tentar arranjar o contacto dos pais do jogador, eu lá consegui isso e o Sporting levou o Martin Odegaard à Academia de Alcochete, para conhecer o clube e as instalações.»
«O Real Madrid já estava na corrida e não tivemos qualquer hipótese. A única coisa que fiz na altura foi fornecer os contactos dos pais e do treinador do Odegaard, que até era português, o Vítor Gazimba. Foi interessante porque ele foi o primeiro grande talento a sair da Noruega.»
Olhando para trás, e hoje já desligado do Sporting, Tomás Pereira compreende que é difícil liderar um departamento de scouting e ter de escolher entre centenas de jogadores indicados.
«Ainda mantenho contacto com muitos dos meus colegas, porque felizmente muitos deles têm muita competência e continuam no Sporting, mas isto é muito complicado. Hoje podemos sempre dizer ‘vês, atenção, eu tentei’, mas é fácil falar. Isto é complicado», refere.
«Claro que quando nos dizem que não a um jogador em quem acreditamos muito acaba por haver alguma frustração, mas tem que passar rápido, porque sabemos que também há scouts na Suíça, Espanha, França, em toda a Europa, a indicar jogadores. Temos de perceber que acaba por ser normal, porque cada cabeça sua sentença.»
Sem mágoas pelo passado, Tomás Pereira olha para o futuro e para o que aí vem. Ele que agora coordena toda a metodologia de treino do Widzew Lodz, da Polónia.
«Tem sido uma jornada longa. Entrei no Sporting pela mão do senhor Aurélio Pereira, depois estive sete anos na Noruega, a seguir a isso estive dois anos em Portugal, na Federação, e estou agora há quase um ano na Polónia, como coordenador de metodologia de treino de todas as equipas do Widzew Lodz. É um gigante, que disputou Liga dos Campeões, foi a finais, meias-finais, até que entrou em falência. Está a reerguer-se, agora está na II Liga, queremos voltar à Liga e estamos a criar as bases para não voltarmos apenas à Liga mas sermos um clube de futuro.»
Aos 33 anos, não lhe faltam experiências e histórias para contar.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Regras dos comentários

O Fora-de-Jogo mantém um sistema de comentários para estimular a troca de ideias e informações entre seus leitores, além de aprofundar debates sobre assuntos abordados nos artigos.

Este espaço respeita as opiniões dos leitores, independentemente das suas ideias ou divergência das mesmas, no entanto não pode tolerar constantes insultos e ameaças.

Assim o FDJ não aceita (ou apagará) comentários que:

- Contenham cunho racistas, discriminatórios ou ofensivos de qualquer natureza contra pessoas;
- Configurem qualquer outro tipo de crime de acordo com a legislação do país;
- Contenham insultos, agressões, ofensas;
- Contenham links externos;
- Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

Não cumpridas essas regras, o FDJ reserva-se o direito de excluir o comentário sem aviso prévio.

Avisos:

- Respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade civil e penal de seus autores e/ou “reprodutores”, participantes que reproduzam a matéria de terceiros.
- Ao postarem suas mensagens, os comentadores autorizam o FDJ a reproduzi-los no blog;

Não fique Fora-de-jogo nas suas palavras...