31 março 2017

Sporting faz pressão para naturalizar jogador; Júlio César já pensa em...nova renovação pelo Benfica

Júlio César está feliz no Benfica em Lisboa. A garantia é dada pelo próprio guarda-redes numa entrevista concedida ao site Tuttomercato.
“Eu estou bem no Benfica, que é um grande clube. E também estou muito feliz em Lisboa, é uma cidade muito bonita. Quero ficar mesmo depois do fim do meu contrato, que termina a 30 de junho de 2018. Espero renovar, pelo menos, por mais uma época”, garantiu o brasileiro.
Quanto ao futuro, Júlio César foi evasivo. “Tenho contrato por mais um ano com o Benfica. O meu objetivo é continuar a vestir esta camisola e sinto-me bem. Ainda quero jogar”, disse, afirmando depois que não existe nenhum ‘novo Júlio César’.
“Não, não, não. Júlio César só há um”, referiu, entre risos.

Pressão por Matheus. Resolver o processo de naturalização de Matheus Pereira é uma das demandas da SAD liderada por Bruno de Carvalho, que, escreve O Jogo, já intercedeu junto da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) no sentido de agilizar o processo no Ministério da Administração Interna (MAI), entidade que concede a naturalização por decreto. A expectativa de todas as partes envolvidas é que o processo de naturalização iniciado há cerca de seis meses possa ficar concluído em breve, de modo a que o extremo possa entrar nas contas dos selecionadores nacionais, concretamente nos sub-21 orientados por Rui Jorge, que disputam o Europeu do escalão entre 16 e 30 de junho, na Polónia.
A disponibilidade de Matheus Pereira para envergar as cores nacionais há muito que foi demonstrada, inclusive formalmente, em carta enviada à FPF. Em novembro último a esperança de Matheus Pereira era a de que pudesse resolver a questão de modo a convencer Rui Jorge a testá-lo tendo em vista o Campeonato Europeu de sub21 na Polónia, mas tal desejo ainda não se concretizou, daí a entrada em campo do Sporting, que se juntou à federação no objetivo comum. Matheus Pereira, que foi titular nos dois últimos encontros do Sporting, frente ao Tondela e Nacional da Madeira, está em Portugal desde 2008 e cumpre todos os requisitos legais que constam na Lei n.º 37/81 de 3 de Outubro, conhecida como a Lei da Nacionalidade, mas espera que o tempo médio de atribuição em Portugal seja antecipado face à média de oito meses.
Em Alvalade e para o próprio jogador, a atribuição da nacionalidade portuguesa é vista, além da natural opção de representar as seleções nacionais, como uma forma de alargar o mercado de um ativo que é tido como um atleta de grande potencial.
Com a dupla nacionalidade, a colocação de Matheus Pereira no mercado europeu, concretamente em países como Inglaterra, Itália ou Espanha, por exemplo, torna-se menos problemática, isto, claro, se a SAD – por força das opções do treinador Jorge Jesus –e o jogador entenderem que na próxima temporada esse é o melhor caminho para as partes, algo que não se perspetiva ao dia de hoje.
Certo é que o domo da camisola 73 verde e branca tem sido opção inicial de Jorge Jesus na ponta final da temporada, em que o técnico, como já fez questão de sublinhar, pretende testar soluções no presente para que possa usufruir delas no futuro com outras garantias. Nesse sentido, a titularidade do extremo esquerdino nos últimos dois compromissos oficiais permitiu que este aumentasse os seus níveis de confiança, muito por força das palavras de Jorge Jesus no decurso dos ditos compromissos.
Foi visível, frente ao Tondela (fora)e Nacional da Madeira (casa), que Jorge Jesus dedicou uma atenção particular jogador de 20 anos, chamando-o no decurso das partidas para que este não se condicionasse pela pressão de ser titular e demonstrasse em jogo tudo o que tem conseguido apresentar ao técnico nos treinos na Academia.
Vinculado ao Sporting até junho de 2020 e com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros, Matheus é um dos nomes que deverá figurar no plantel principal dos leões na temporada 2017/18, depois de se ter destacado, sobretudo, na equipa secundária.

20 comentários:

  1. Como se preparava a táctica nos bons velhos tempos do Apito Dourado versão 1.0.
    Carlos Xistra – A táctica para o Benfica-Porto para a Taça.
    Ontem a 1ª parte do jogo decorreu mais ou menos de forma normal em termos de arbitragem...
    Em termos de jogo jogado o Benfica teve 2 oportunidades de golo por Javi Garcia e Cardoso e o Porto teve uma 1 oportunidade por parte de Falcão que o Júlio César defendeu de forma brilhante...
    fomos para o intervalo com 0-0 e o Porto para passar teria que marcar 2 golos para ir a prolongamento ou penaltis para eliminar o Benfica desde que não marcássemos 2 golos…
    O que aconteceu mais ou menos no início da 2ª parte?
    Aconteceram 3, 4, 5 ataques CONSECUTIVOS do Benfica parados em falta por jogadores do Porto que não foram ASSINALADOS COM A RESPECTIVA FALTA da parte do Carlos Xistra...
    enquanto isso os ataques do Porto tiveram direito a VÁRIAS FALTAS A FAVOR da equipa de Villas Boas...
    isto tudo num espaço de 15 a 20 minutos....
    isto foi feito de forma CIRÚRGICA de forma a desgastar e enervar ao máximo a equipa do Benfica e mostrar à equipa do Porto que era possível...
    e assim aconteceu....
    a equipa do Benfica partiu-se e desorientou-se por completo...
    A equipa do Porto motivou-se e pensou que era possível o que não tinha acontecido na 1ª parte.... só a partir do 3º golo do Porto o Carlos Xistra voltou a marcar com regularidade faltas contra o Porto... até lá abriu-lhes uma auto-estrada até à baliza do Benfica…
    eu vi o Jorge Sousa fazer isto na 2ª parte em Alvalade com o Benfica a ganhar 2-0 e viemos a perder o jogo por 5-3!
    Para quem não acredita nisto é falar com um jornalista famoso chamado Marinho Neves que no seu livro sobre a Corrupção e Bastidores do futebol português ("Golpe de Estádio") se referiu a isto como uma forma típica dos árbitros controlados pelo FC Porto de DESTRUIREM a CONFIANÇA de uma equipa adversária....
    Ontem quando Carlos Xistra fez o que fez lembrei-me logo do que o Jorge Sousa fizera em Alvalade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quando ele começou a fazer o mesmo foi aí que tive a percepção de que se o Porto marcasse naqueles 15 minutos o Benfica seria eliminado... e o Porto marcou... E fomos comidos (e vamos continuar a ser!) que nem anjinhos mais uma vez…
      Aprendemos a lição? Vamos deixar que o Xistra nos lixe outra vez?
      Responder
      Atentíssimo30 março, 2017 21:06
      Mais resquícios do Apito Dourado.
      O ÚLTIMO TERROR
      Quando o árbitro Lucílio Baptista se retirou, os portistas suspiraram de alívio. Cada nomeação dele punha em causa o comodismo da equipa por ser menos permissivo do que a generalidade dos seus pares, sem receio das consequências dos eventuais desaires azuis e brancos.

      COMO SE FABRICA UM ÁRBITRO INTERNACIONAL: O LAGARTÂO HUGO MIGUEL
      Em 14 de Setembro de 2006, noticiava o jornal “Público”, em texto assinado por Adelino Gomes, que, no processo Apito Dourado, o árbitro Hugo Miguel era um daqueles sobre os quais recaíam indícios de corrupção. Segundo a notícia, na época 2002/2003, arbitrou o jogo Porto B-Gondomar e «os investigadores da PJ apuraram que o árbitro e a respectiva equipa foram ‘premiados’ com objectos em ouro. A situação acabou depois por ser arquivada, porque a má qualidade de som da fita gravada impedia que as incidências do jogo pudessem ser analisadas pela equipa de peritos.» Acerca desse mesmo jogo, há uma escuta em que Pinto de Sousa garante a Pinto da Costa que Hugo Miguel não prejudicaria o FCP.

      A 25 de Fevereiro de 2012, Hugo Miguel foi o árbitro de um célebre Académica-Benfica. Segundo o observador desse jogo, José Ferreira, o árbitro sonegou ao Benfica duas grandes penalidades, tendo ficado com a nota de 2,1.
      No entanto, voz atenta e influente aconselhou o árbitro a reclamar do relatório. Hugo Miguel assim o fez e a nota subiu o suficiente para poder chegar a árbitro internacional.
      Na última jornada da época passada, Hugo Miguel foi o escolhido para apitar o jogo do FCP com o Paços de Ferreira. Com o resultado a zeros, com um título nacional a jogar-se em 90 minutos, Hugo Miguel conseguiu ver num tropeção de James em si próprio, a aproximadamente um metro da área, uma grande penalidade a favor do FCP, com consequente expulsão do futebolista do Paços.
      Na 3ª jornada do actual campeonato, na deslocação do Benfica a Alvalade, Hugo Miguel sonegou uma grande penalidade a favor do Benfica e permitiu que o golo do Sporting fosse precedido de um claro fora de jogo.
      Olhando para este percurso, e como está provado que no futebol português não há corrupção, resta-me concluir que é necessária uma grande dose de incompetência para que um árbitro seja premiado com o estatuto de internacional.
      João Capela, árbitro sportinguista:
      Revolta. É o sentimento que paira em Arouca após a derrota (1-2) com o Sporting B, jogo em que os ânimos se exaltaram após o apito final do árbitro João Capela.
      «A revolta é grande. Houve penalties que não foram, um foi fora da área... Por tudo isto pretendemos fazer exposição para abandonar o futebol profissional. Foi um bom espetáculo na primeira parte mas, na segunda, foi uma vergonha para os espetadores. Somos pequenos mas temos dignidade. Regemo-nos pela seriedade e, se não sérios connosco, não vale a pena estar aqui», disse o diretor desportivo do Arouca, Joel Pinho, assegurando que a exposição será «pelo que se viu hoje» e não por situações verificadas noutros jogos.
      João Capela, uma promessa da arbitragem:
      “João Capela, lembras-te que os juniores do Benfica passaram a 2.ª parte a lutar, contra tudo e todos, mas principalmente contra as tuas atitudes? O Sporting nada conseguia. Até que foste obrigado a actuar, expulsando o jogador do Benfica, Blaze Berzovacki, aos 68 minutos, após simulação do fiteiro Nani?

      Eliminar
    2. João Capela, lembras-te que, mesmo assim, ainda tiveste de arranjar livres e mais livres para o Sporting empatar, aos 80 minutos por Miguel Veloso e depois nos descontos Djaló arrumar com o Benfica perante uma equipa de juniores benfiquistas destroçada e extenuada. E tu contente e impune. Lembras-te?
      Quando os Benfiquistas presenciaram a vergonha que fizeste, logo vaticinaram: “Este vai longe! Agora anda pelos jogos dos juniores! Mas ainda chega a internacional!” Não se enganaram…”
      Árbitros - de vilões a heróis
      1 Bruno Paixão sofreu impiedosa perseguição psicológica de entidades portistas, sendo tratado como «vilão» nos programas de televisão por causa dos erros no Campomaiorense-FC Porto (1-0) de 2000, em particular a permissividade a uma marcação sistematicamente faltosa sobre Jardel, inclusive com lances de penalti não assinalado. Foi uma noite terrível, que lhe custou uma quarentena, mas após ano e meio, voltou ao bom caminho, com 10 triunfos portistas em 13 encontros, figurando hoje entre os «heróis» de Pinto da Costa.
      2 Penalti a cada 16 jogos
      Quando Rui Silva, no domingo passado, assinalou um penalti no Dragão contra os donos da casa soaram campainhas de alerta pelo inusitado da situação. Em média, o FC Porto só sofre um penalti a cada 16 partidas e raramente nas primeiras jornadas. Desde 2004, aliás, no ano do título perdido para o Benfica, que o FC Porto não era punido com uma grande penalidade das primeiras quatro jornadas da Liga.
      3 Luis Miranda
      - O que fez
      num BeiraMar-FC Porto (2-0) perdoou uma grande penalidade aos aveirenses e ainda expulsou Alenitchev no começo da 2ª parte.
      O que lhe aconteceu?
      Nos oito meses seguintes, até final da época, o juiz de Torres Vedras só mereceu mais três nomeações e encerrou a carreira, na maior discrição.

      4 Emanuel Câmara
      - O que fez?
      Num Santa Clara-FC Porto (2-1), deixou passar em claro um penalti (passível de cartão vermelho) de Rui Gregório sobre Hélder Postiga.
      O que lhe aconteceu?
      A carreira na 1ª Liga do actual comentador da RTP Madeira ficou arrumada: dois meses depois dirigia o Marítimo-Leiria, em jeito de jogo de homenagem.

      Mais histórias verdadeiras de árbitros:

      Eliminar
    3. Duarte Gomes
      Afilhado de Guilherme Aguiar quando este era Secretário Técnico da Liga.
      Decorria a época de 2003/04 a célebre temporada em que FC Porto pela mão de Mourinho e do Apito Dourado levantaram a Liga dos Campeões, o Sporting delocava-se ao Bessa e era derrotado pelo Boavista por uma arbitragem vergonhosa, mas a história não se fica por aqui e 1 dia antes da visita do Sporting ao Bessa, Duarte Gomes, sim o mesmo que viu um fantasma empurrar Jardel e assinalar penalty num clássico da Luz, e expulsou Alcides num ano de título quando supostamente Liedson isolado só com o guarda-redes pela frente ainda tinha uns quantos defesas à sua frente...
      Visitou a casa de Pinto da Costa na Madalena para combinar o resultado e garantir em caso de vitória do Sporting sobre o Boavista um resultado favorável ao FC Porto, e como garantia desse resultado favorável receber um envelope “vazio” com 2500 euros do costume.
      A visita de Duarte Gomes à casa de Pinto da Costa, consta dos dossiers e escutas que o Ministério Público entregou aos Juízes do caso Apito Dourado, escutas essas que a imprensa nacional teima em omitir e esquecer e permite os mesmos de sempre continuarem a apitar pelos estádios da principal liga do Futebol Português.
      João Rosa
      Este árbitro de Évora foi nomeado para um Salgueiros-Benfica no qual acabou por apenas não meter a bola na baliza do Benfica com as suas próprias mãos. Por fim, “conseguiu” que o Benfica perdesse pontos quando empatou a um golo.
      Rosa Santos
      Foi uma figura de proa do sistema que construiu a hierarquia do futebol português que hoje temos. Uma vez em Loulé permitiu a marcação de um livre sem ter apitado nem os jogadores algarvios terem formado barreira, valendo esse lance uma eliminatória na Taça para o FCP. Hoje continua a fazer favores aos dragões comentando arbitragens no jornal O JOGO.
      Isidoro Rodrigues
      Este árbitro viseense foi um verdadeiro Benquerença da década de noventa. Muitos foram os jogos em que beneficiou o “seu” Porto, e sobretudo aqueles em que prejudicou o Benfica, bastas vezes sem sequer se preocupar com as aparências. Recordo com particularidade um Benfica-Boavista (1995-96) em que Isidoro virou o resultado quase sozinho, expulsando três jogadores do Benfica (entre os quais João Pinto), assinalando um penálti fantasma e validando um golo em fora-de-jogo; bem como um Varzim-Benfica para a primeira jornada de 2001-02, em que o árbitro só apitou para o final do jogo quando o Varzim chegou ao empate, nove (!!) minutos depois da hora e já depois de ter expulsado os benfiquistas Cabral e Porfírio, e marcado o penáltizinho da ordem, começando a liquidar desde logo as aspirações benfiquistas numa época em que muito apostavam (contratações de Simão, Drulovic, Zahovic, Mantorras etc).
      Ficou também por mencionar um Portimonense-Porto apitado pelo condenado Guimaro... o tal que acabou em pancadaria devido á roubalheira do costume. O tal jogo dos quinhentinhos. O tal jogo em que o padrinho (PC) afirmou que o Portimonense nunca mais estaria na 1ª divisão.

      (Depois desse jogo, que foi uma vergonha, depois de ter sido agredido por pedras atiradas por adeptos do Portimonense escandalizados pela arbitragem de Guímaro, Pinto da Costa jurou que o Portimonense nunca mais estaria na 1ª Liga. E cumpriu. O Portimonense desceu não voltou durante muitos anos. Guimaro foi condenado por corrupção num caso conhecido pelos “Caso dos Quinhentimos”, devido ao facto dos árbitros serem pagos por Reinaldo Teles que levava os cheques de quinhentos contos (2500€) numa mala).
      Mas há mais. Os exemplos são às dezenas!
      Atenção! Comparem este facto com a escolha actual de Carlos Xistra para o jogo de sábado!Mostramos como se preparou o jogo do Benfica em Braga para que fosse o árbitro escolhido (Carlos Xistra) assim como os fiscais e como bateu tudo certo.

      Eliminar
    4. 1) Telefonema de Pinto de Sousa e Carlos Xistra
      Telefonema de Pinto de Sousa colocou Xistra no Braga-Benfica, que o Benfica viria a perder por 2-1.
      Durante um convívio, com algumas pessoas ligadas ao futebol foi-me passada a informação que Pinto de Sousa (ex-presidente do CA da Liga, condenado por corrupção) recebeu um telefonema do norte informando-o de que seria necessária a nomeação de Carlos Xistra para o jogo que iria opor SC Braga ao SL Benfica.
      Seria necessário a todo o custo que fosse Xistra o nomeado juntamente com a dupla de fiscais de linha, pois a armadilha já estava preparada e devidamente alinhados com Xistra e restante equipa de arbitragem para que o Benfica não vencesse am Braga.
      A informação é de que foram tomadas as medidas necessárias e Pinto de Sousa através de telefonemas conseguiu que Carlos Xistra fosse nomeado para o jogo que viria a afastar o Benfica da luta pelo título de campeão.
      2) Como Xistra foi escolhido… por exclusão de partes.
      Sim, é o Vitor Pereira que oficialmente escolhe os árbitros. Não sabemos muito bem é quem o infuencia e quem “aconselhou” os outros 4 árbitros indigitados para a partida, mas que se declararem “indispostos” para arbitrar o Braga-Benfica.
      Quatro árbitros, TODOS AO MESMO TEMPO, declaram-se indispostos para arbitrar um único jogo? Ficando, como que por magia e por exclusão de partes, um único árbitro que podia ser escolhido, o Carlos Xistra! Que coincidência!!
      Depois foi só escolher os assistentes. E como escolheram os fiscais de linha para este jogo? Foram escolhidos a dedo, vindos de duas regiões diferentes, um de Rio Tinto (Cadinali) o outro de Portalegre (Luis Tavares), mas com uma coisa importante em comum, ambos são adeptos ferrenhos do FCPorto.
      O mais engraçado é que puseram a culpa no Benfica pelo facto dos outros 4 árbitros, que também estavam indigitados para este jogo, se terem recusado a arbitrar o jogo. Imaginem! Queixavam-se eles que era muita pressão e tal!
      Foi o único jogo em que árbitros de sentiram indispostos para arbitrar um jogo do Benfica!!! Em nenhum outro isso aconteceu. Porquê?
      Os telefonemas de Pinto de Sousa a preparar o caminho não foram inocentes nesta tramóia toda.
      3) Os Fiscais escolhidos a dedo
      Cardinal, o “andrade” de Rio Tinto
      Aquele Cardinal, que vive em Rio Tinto, que até vai para a rua buzinar quando os corruptos ganham titulos da batota e que trabalha nos CTT no Porto, não fosse ele adepto ferrenho dos corruptos, é que teve a culpa principal desta vergonha, é o mesmo que em Guimarães anula um golo limpo ao Benfica e deixa passar em claro 2 penaltys.

      O engraçado é que este Cardinal é auxiliar do Benquerença, por isso temos de perguntar: o que raio estava ele a fazer em Braga a auxiliar o Xistra? Pois é, já perceberam.
      É isto o futebol português, uma corrupta mentira pegada.
      Luis Tavares
      O sr. Luis Tavares, notório andrade de Portalegre - o tal que não sancionou o golo do Petit que entrou 1 metro na baliza do Vitor Baia mas que não contou - que deixou passar um claro off-side de um metro do Hulk no 2º golo, aquele que nos matou definitivamente, pois o JJ estava nesse momento a fazer uma substituição. Apesar de ter acertado em todos os off-sides do Benfica no 1º tempo, alguns deles por meros centímetros. O tal que vai para o café com a camisola do seu clube vestida.
      Acorda Benfica!!!!!

      Eliminar
    5. Carlos Xistra
      Um dos artistas da nova vaga. Nas últimas épocas realizou uma das mais escandalosas arbitragens, um Benfica-Amadora, no qual expulsou Miccoli, impedindo-o de jogar no Dragão na jornada seguinte. Na época anterior tinha assinalado um penalty anedótico a favor do FCP quando um jogador do Marítimo cortou a bola com a cabeça que ia para baliza. O lance seria corrigido pelo árbitro auxiliar, mas mostrou bem quem é Xistra.

      Carlos Xistra ao longo da carreira na 1ª categoria arbitrou o FCPorto em 3 ocasiões. No Barreiros fez em época consecutivas (03/4 e 04/05) o Marítmo-Porto. Na primeira ocasião assinalou erradamente uma grande penalidade que permitiu aos portistas um resultado de 2-2; já este ano, validou um golo a Luis Fabiano, obtido em clara posição de fora-de-jogo, o que valeu o empate aos dragões (1-1). Agora, no Restelo, foi o único que não viu uma falta clara de Ricardo Costa sobre Lourenço na área portista. Apesar de tudo não perde a boa disposição… quando o FCPorto marca…
      Vitor Pereira, o dos árbitros.
      Quanto ao que digo, bem como sabemos em Portugal os juristas não consideraram válidas as escutas onde se comprova como tudo se faz. Portanto eu posso dizer-lhe o que sei do sr. Vitor Pereira, porque posso indicar o estabelecimento no Porto onde tal me foi relatado e posso identificar quem me disse, porque me foi apresentado por pessoas amigas, adeptos do FCP, ele também sócio e pertencente a alguma forma de grupo de pressão do FCP.
      Quando ganhei a sua confiança (ele soube sempre que eu era do Benfica mas do Norte, não do Sul) e lhe disse, "não sei como vocês fazem porque o Vitor Pereira que é adepto do SCP quando arbitra jogos do FCP engana-se sempre a favor do FCP".
      E ele com toda a naturalidade do mundo respondeu: "Ó amigo, esse está controlado ... pusemos-lhe umas meninas debaixo, filmámos e mandámos-lhe o VHS para casa".

      Eliminar
    6. Claro que ri para ele e disse-lhe: "é pá, fantástico, assim vocês só ganham os campeonatos que querem".
      Estávamos em 1996 e o FCP só nessa leva, foram 5 (campeonatos) seguidos...
      Em termos jurídicos não sei que prova isto faz, para mim a conduta de Vitor Pereira encaixa-se perfeitamente naquilo que me foi dito. E já assim era quando arbitrava".
      Comentário de Marinho Neves numa rede social:
      «Vocês pensam que o Pedro Proença é benfiquista porque ele é sócio do Benfica mas enganam-se porque ele é o maior anti-benfiquista que anda por aí no futebol...»
      A corroborar o testemunho da pessoa, um fotógrafo também o viu e fotografou-os. Leiam o que lhe aconteceu:
      “É engraçado saber que houve um pobre desgraçado que conseguiu fotografar o Proença a sair do Dragão, uns dias antes do jogo com o Benfica, mas como era fotojornalista enviou as fotos para o seu jornal, para conseguirem um furo. O furo acabou por ser na boca do pobre jornalista que foi parar a uma cama de hospital com a sua família ameaçada caso não destruísse as fotos... Agora percebe-se o porquê de tamanha violência... Não era só o título roubado ao Benfica, era também uma final da Champions que estava em jogo.
      Já começam a ser favores a mais, digo eu. Um dia a casa vai abaixo. Não é história nem é treta.

      O interveniente prefere não ser identificado, até pelas ameaças à família.

      Este assunto não vai ser alongado, o que é certo é que existiu e as autoridades não fizeram nada mesmo após apresentação de queixa.
      O jornal é um dos diários desportivos, um dos que supostamente não estaria sob alçada corrupta mas que infelizmente parece padecer da mesma "doença" que tolda o raciocínio inclusivé a alguns magistrados.”
      Como diria La Palisse:
      “Árbitros?! Se eles não fossem “importantes” o FCP não os corrompia, como mostram as escutas do processo “Apito Dourado! Para quê gastar dinheiro com eles se eles não conseguissem influenciar os resultados dos jogos?” Anónimo.
      Que consequências teria fazer-mos um pano destes para o jogo? Um pano daqueles que ocupa toda a bancada! É que caso não haja, sugiro que o mesmo, ainda seja feito, apesar de já não termos muito tempo! Pior do que o busto do Ronaldo, não ficaria de certeza!
      TUDO FOI FEITO PARA SER ELE
      UM ALEGOU LESAO
      E O OUTRO FOI ATEMPADAMENTE NOMEADO PARA O FEIRENSE X SLB
      PARA FICAR IMPEDIDO
      ELE VAI XISTRALHAR O SLB
      Responder

      Eliminar
  2. QUE NINGUÉM TENHA DÚVIDAS

    COM XISTRA O SLB ESTÁ PRÓXIMO DE PREJUÍZOS

    E O FCP CERTO DE BENEFÍCIOS

    ResponderEliminar
  3. Um psiquiatra já para este comentador anónimo...nem li...que doente ...como é que o país pode evoluir com cromos assim? xau vou emigrar aqui não se aproveita nada , só sentirei saudades da familia e do Fc Porto. M

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não leste porque o doente és tu. Não gostas de conhecer factos que se passaram e que querem repetir. A negação da realidade é uma doença do foro psicológico!

      Eliminar
  4. Um psiquiatra já para este comentador anónimo...nem li...que doente ...como é que o país pode evoluir com cromos assim? xau vou emigrar aqui não se aproveita nada , só sentirei saudades da familia e do Fc Porto. M

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te aguentas com os FACTOS

      Eliminar
  5. Agora anda um a pedir factos, sendo ele adepto do clube do regime!
    De Calabote, dos vouchers, dos tuneis, do estorigate, de bata, do mr king de n casos de dopping, de um sem fim de factos e mais factos que mostram por A + B que o clube do regime é o maior nojice no que ao nosso futebol diz respeito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que casos de doping? King falou do Sporting também, até dizendo que estes o tratavam ainda melhor, mas é conveniente esquecer isso. Túneis que eu saiba só houve um, que foi mal decidido, favorecendo o Porto, e que mesmo assim não teve influência alguma. Vata foi uma coisa que acontece, não vejo mal nenhum, mas deves ser de Marselha. Nada demonstra por A+B que o Benfica é clube do regime, porque é impossível. Calabote é aquela coisa que putos gostam de repetir, esquecendo que no dia desse caso o Porto sagrou-se campeão. Já agora, o jogo com o Estoril, que teve de especial, além de mudarem de campo para encaixarem mais?

      Eliminar
  6. É o que dá viver num país onde a comunicação social funciona como a propaganda nazii em relação ao clube do regime.
    O clube do regime é bom, como era o regime nazzi. tudo uma questão de propaganda.

    ResponderEliminar
  7. Amanhã seremos 6 Milhões de adeptos a apoiar o Porto! Somos Porto! Saudações Leoninas

    ResponderEliminar
  8. O Pedro guerra, esgana-te, ninguém liga /lê as merdas e mentiras que escreves.... Mais vale ler a Bíblia

    ResponderEliminar
  9. Os ENCORNADOS já tremem.....

    ResponderEliminar

Regras dos comentários

O Fora-de-Jogo mantém um sistema de comentários para estimular a troca de ideias e informações entre seus leitores, além de aprofundar debates sobre assuntos abordados nos artigos.

Este espaço respeita as opiniões dos leitores, independentemente das suas ideias ou divergência das mesmas, no entanto não pode tolerar constantes insultos e ameaças.

Assim o FDJ não aceita (ou apagará) comentários que:

- Contenham cunho racistas, discriminatórios ou ofensivos de qualquer natureza contra pessoas;
- Configurem qualquer outro tipo de crime de acordo com a legislação do país;
- Contenham insultos, agressões, ofensas;
- Contenham links externos;
- Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

Não cumpridas essas regras, o FDJ reserva-se o direito de excluir o comentário sem aviso prévio.

Avisos:

- Respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade civil e penal de seus autores e/ou “reprodutores”, participantes que reproduzam a matéria de terceiros.
- Ao postarem suas mensagens, os comentadores autorizam o FDJ a reproduzi-los no blog;

Não fique Fora-de-jogo nas suas palavras...