12 agosto 2016

O Bom filho à casa torna

Na Bíblia Sagrada, mais precisamente no livro de Lucas encontra-se uma parábola que conta a história de dois irmãos que recebem de forma antecipada as heranças do pai. Um dos filhos recebe o dinheiro e sai de casa abandonando a sua família indo ao encontro de um mundo de luxúria o outro acompanha o pai e a restante família. Tempos depois o jovem que havia abandonado a família e depois de esbanjar todo o seu dinheiro sente-se só e reconhece verdadeiramente o valor da família, regressa  a casa onde é recebido de braços abertos.

De facto, através desta passagem da Bíblia podemos fazer várias ligações ao mundo que nos rodeia. Sejamos cristãos, agnósticos, ateus, judeus, muçulmanos, o que quer que seja. No caso, podemos fazer um paralelismo com o que se passou até agora neste mercado de transferências.

São vários os casos que se deram de jogadores que regressaram à casa mãe. Uns para poder expandir a sua carreira e outros em busca de renascer e de voltar a ter o protagonismo que outrora lhes era reconhecido.

Não precisamos de sair do nosso país para assistirmos a um caso destes. André Horta, jovem português de 19 anos, fez a maior parte da formação no clube dos encarnados mas depois devido à falta de oportunidades no clube da luz virou-se para o sado e foi no Setúbal que começou a dar nas vistas fazendo com que o Benfica lhe contratasse, ocupando o lugar que outrora era de Renato Sanches.

Para os lados de Alvalade acontece novo caso. Beto. O antigo guarda-redes do Sevilha e do Porto volta à casa onde foi formado. Beto fez a maior parte da sua formação em Alvalade e pertenceu aos quadros dos leoninos até 2004 onde depois acabou por assinar contrato com o Chaves.

Para os lados da Baviera temos outro caso. Matts Hummels, defesa central, um dos melhores do mundo, esta temporada voltou ao clube rival do Borussia, o Bayern de Munique. O alemão havia sido formados nos lados da Baviera até que em 2009 saiu de "casa" em busca de uma aventura no futebol. Acabou por ser transferido para o Borussia por uma verba a rondar os 4 milhões, experiência que teve muito êxito. Foi no clube alemão que o central ganhou notoriedade sendo considerado atualmente um dos melhores do mundo na sua posição.

O caminho inverso fez Mário. Mário Gotze, herói da final do Mundial de 2014, está de regresso ao Westfalenstadion. O jovem alemão formado no Borussia em 2013 trocou o seu clube pelo Bayern. Nas primeiras temporadas acabou por realizar alguns bons jogos no clube da baviera mas quando se esperava que fosse explodir acabou por desaparecer gradualmente. Este ano e de forma a ganhar algum protagonismo e a jogar onde de facto se sente em casa volta ao Borussia tornando-se mais uma opção para a frente de ataque da equipa de Tuchel.

Em Espanha temos outro caso. O avançado Àlvaro Morata, formado nos Blancos do Real devido à falta de espaço na equipa e tapado pela constelação de estrelas madrilena saiu para Turim em 2014 em busca de ganhar algum protagonismo.  Volvidas duas temporadas em que apontou 27 golos em Turim e onde acabou por ganhar a frente de ataque dos rojiblancos o jovem espanhol regressa a casa onde vai disputar um lugar com o mal amado Benzema.

O caso mais mediático e atual vem de Inglaterra. Em 2011, Paul Pogba, jovem francês formado no United começava a aparecer nos red devils pelas mãos de Sir Alex Fergunson. Passado um ano o jovem francês havia assinado pela Juventus. Foram várias as notícias na altura em que Sir Alex Fergunson se lamentava pela não renovação do jovem prodígio. A verdade é que na Juventus o jovem mostrou toda a qualidade que o mítico Fergunson já previa. Em 2016, dá-se finalmente o tão esperado regresso de Pogba. O francês está nas bocas do Mundo. O jovem regressou a casa.. mas a muito custo. Serão todos estes jogadores bons filhos? A próxima época já nos irá dar a resposta.

2 comentários:

  1. MUITO BOM!
    Este blog não para de crescer dia após dia. Parabéns a todos

    ResponderEliminar

Regras dos comentários

O Fora-de-Jogo mantém um sistema de comentários para estimular a troca de ideias e informações entre seus leitores, além de aprofundar debates sobre assuntos abordados nos artigos.

Este espaço respeita as opiniões dos leitores, independentemente das suas ideias ou divergência das mesmas, no entanto não pode tolerar constantes insultos e ameaças.

Assim o FDJ não aceita (ou apagará) comentários que:

- Contenham cunho racistas, discriminatórios ou ofensivos de qualquer natureza contra pessoas;
- Configurem qualquer outro tipo de crime de acordo com a legislação do país;
- Contenham insultos, agressões, ofensas;
- Contenham links externos;
- Reúnam informações (e-mail, endereço, telefone e outras) de natureza nitidamente pessoais do próprio ou de terceiros;

Não cumpridas essas regras, o FDJ reserva-se o direito de excluir o comentário sem aviso prévio.

Avisos:

- Respeitadas as regras, é livre o debate dos assuntos aqui postados.
- Os comentários são de exclusiva responsabilidade civil e penal de seus autores e/ou “reprodutores”, participantes que reproduzam a matéria de terceiros.
- Ao postarem suas mensagens, os comentadores autorizam o FDJ a reproduzi-los no blog;

Não fique Fora-de-jogo nas suas palavras...